sexta-feira, 1 de setembro de 2006

A Ler: Astérix (Goscinny & Uderzo)

Sou um amante de banda desenhada francófona (os comics e os mangas não me convencem...) e essencialmente das colecções iniciadas nos anos 50/60, pois actualmente as novas séries não me entusiasmam (excelentes desenhos mas histórias fracas).
De entre todas as séries a que tem o meu maior carinho é "Astérix", toda a sua estrutura é perfeita, excelentes argumentos (Goscinny), desenhos magníficos (Uderzo) e bem inserida no contexto histórico.
Breve resumo- O império Romano conquistou toda a Gália, com a excepção de uma pequena aldeia resistente, cujo segredo da sua independência é a união dos seus habitantes e essencialmente o facto de o druida da aldeia (Panoramix) preparar uma poção mágica que
dá uma força sobre-humana e invulnerabilidade a quem a bebe.
O imperador Júlio César no alto do seu orgulho, não suporta a ideia de que um "punhado" de gauleses ousem questionar a sua autoridade. Este cerca a aldeia com campos entricheirados de modo a tentar conquistá-la (mas normalmente o que costuma acontecer é os romanos levarem uma "sova monumental" dos gauleses).
Ao longo dos álbuns, Astérix e o seu amigo Obélix não combatem apenas os romanos no seu território, viajando até ao Egipto, Grécia, Bretanha (Inglaterra), Helvécia (Suíça), Hispânia (Espanha), Roma e Mesopotâmia.

O que destaca esta série das demais é o seu humor, as personagens carismáticas (principalmente os gauleses) o ambiente histórico bem representado e adaptado para os dias de hoje e os seus desenhos detalhados e humorísticos.
René Goscinny o brilhante argumentista da série deu o seu toque pessoal até ao album "Astérix entre os Belgas" mas infelizmente acabou por falecer, cabendo então ao desenhador Albert Uderzo continuar a saga. Logicamente a história perdeu brilho, mas mesmo assim Uderzo conseguiu "aguentar" o estilo até "Astérix e Latraviata" onde se assiste a uma ruptura com o passado e uma grande redução na qualidade da obra (histórias fracas e pouco consistentes), este facto é perfeitamente vísivel no mais recente livro "O céu cai-lhe em cima da cabeça" onde as lutas com os romanos são deixadas de lado e se centra na chegada de extraterrestres... perfeitamente dispensável!
Apesar da menor qualidade dos albuns recentes, vale mesmo a pena conhecer o mundo de Astérix

2 comentários:

Jota disse...

prefiro o lucky luke porque me identifico muito com todo aquele ambiente, eu "entro" nas histórias mas tenho que admitir que o Astérix conjuga escrita com desenho resultando em humor,história e muitas "realidades"! mítico... um abraço Alex!

Alex disse...

Está para breve o comentário ao Lucky Luke!