quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

As melhores batalhas de Portugal (em territorio Português)

A nossa História militar é rica em batalhas e guerras, e felizmente tendo em conta a escassa população Portuguesa e a constante falta de recursos naturais e monetários, lá conseguimos derrotar exércitos inimigos muitas vezes mais numerosos e equipados que o nosso. Este post apenas foca as vitórias Portuguesas conseguidas em Portugal.

S. Mamede (1128) - D. Afonso Henriques defronta o exército de D. Teresa (a sua própria mãe), esta batalha é importante pois permitiu expulsar do Condado Portucalense a influencia Leonesa e aumentar o prestigio de Afonso Henriques;

Ourique (1139) - D. Afonso Henriques começa a conquistar território a Sul e em 1139 defronta um exército Mouro muito superior, composto por 5 reinos aliados. Felizmente esta aliança tinha problemas internos e o nosso primeiro Rei tomou partido disso;

Atoleiros (1384) - Esta é pessoalmente a melhor batalha, pois os Portugueses contavam com apenas 1 600 homens (liderados por D. Nuno Álvares Pereira) e os Castelhanos com cerca de 6 000. A táctica usada pelos Portugueses foi tão eficaz que Castela sofreu pesadas baixas enquanto que do lado Português não se registou uma única morte... nem um único ferido!

Aljubarrota (1385) - É talvez a batalha mais importante da História Portuguesa, Os Portugueses contavam com 6 500 homens mais 600 aliados Ingleses. Os Castelhanos (aliados aos Aragoneses, Italianos e Franceses) contavam com 31 000 homens (mesmo para os padrões da altura era um grande exército). Mais uma vez foi comprovada a eficácia das tácticas de D. Nuno Álvares Pereira: baixas Portuguesas - 1 000, baixas Castelhanas - 10 000.

Linhas de Elvas (1659) - Portugal luta para ser reconhecida a sua independência após 60 anos de domínio Espanhol. Os Portugueses contavam com cerca de 10 900 homens, enquanto que Espanha enviou cerca de 19 000 soldados. As armadilhas criadas no campo de batalha e as tácticas utilizadas resultaram em 13 700 baixas Espanholas e apenas 200 Portuguesas;

Ameixial (1663) - O exército Espanhol estava moralizado pois tinha vindo a conseguir algumas vitórias em escaramuças com os Portugueses, e decidiu passar a uma grande ofensiva com cerca de 22 000 homens, mas sofriam de falta de abastecimentos e este facto acabou por ditar a vitória dos Portugueses que juntaram um exército de 20 000 soldados, dos quais se perderam apenas 2 000 contra as 4 000 baixas Espanholas, além de terem sido feitos 3 500 prisioneiros;

Vimeiro (1808) - Esta batalha marca o fim da 1ª Invasão Francesa, o exército de Napoleão contava com 13 500 soldados mas não foram suficientes para vencer os 18 778 da aliança Luso Britânica, apesar de esta ser uma batalha com numeros favoráveis a Portugal (o que lhe retira algum brilho) é de realçar que apenas se perderam 135 homens contra os 1 400 Franceses;

Buçaco (1810) - Aqui já estamos na 3ª Invasão Francesa, os Franceses lançam um grande ataque de 65 000 homens liderados pelo melhor general de Napoleão, Massena, contra 50 000 homens da aliança Luso-Britânica. Apesar de nenhum dos lados ter tido baixas extremamente pesadas, tendo em conta o numero de soldados envolvidos (1 250 aliados contra 4 500 Franceses), esta batalha marca o inicio do fim das Invasões.

7 comentários:

Jota disse...

Ganda Alex!
Tens de escrever um livro..!

Pá.. a de Aljubarrota se tiver realmente sido assim foi soberba, táctica e coragem!
Mas a do Buçaco foi importante porque acabou de vez com os franceses.. ok! Mas ficámos completamente "enterrados" e "amarrados" aos ingleses.. foi o princípio da dívida externa!

Escreve mais posts destes..!
abração!

Alex disse...

Para ti e para as pessoas que gostaram deste post, fica aqui prometido mais posts destes, pois falta falar das batalhas no estrangeiro e também das que... correram mal. abraços

Anónimo disse...

Un saudo desde Galiza por un profesor de historia,ante tudo desculpas por que non van gostar do meu comentario:
Os datos que mencionan na miña opinión non son certos,a crítica histórica moderna exige ver os feitos históricos de xeito diferente e non seguir cegamente a propagandistica da época.
31000 homens castelhanos en aljubarrota¡¡¡¡ pero si nen no mellor momento castelhano en 1580 apenas consegueuse reunir 20.000, ademáis a maior parte da infantaria castelhana non había chegado ao campo de batalha.
As cifras que dan non son hístóricas, por favor consultade outras fontes; as relacións de baixas son fantasticas, non son realidade ( so tendes que lembrar que para a batalha de covadonga 711 os cristaos de asturias falaron de 100.000 mouros mortos; era propaganda de guerra).
Non nego as vosas grandes vitorias mais lembrade tamen outras batalhas:
Almansa 1707 gran derrota vosa.
Caia 1709 gran derrota vosa
Albuera 1479 gran derrota vosa
Alcantara 1580 gran derrota vosa.
Batalha naval de Saltes 1384 a maior derrota naval da vosa historia.
Toro 1476 a batalha foi indecisa mais de facto foi o fin do voso intento de coller o trono castelhano.
Badajoz 1658 outra gran derrota no intento de conquistar Badajos.
Villanueva de barcarrota (estremadura) 1341 gran derrota vosa, o voso xefe era pero afonso de sousa.
Badajos 1188 o voso rei Afonso Henriques prisioneiro e vencido.

Un pouco de humildade
sodes un gran povo e valente non necesitades de aumentar as baixas enemigas nin ocultar derrotas.
Todo o meu respeto a Portugal a quen considero, como galego, irmaos.

Anónimo disse...

Dirijo este comentário ao anónimo galego.
Sim, ninguém deve inflacionar vitórias e omitir derrotas, mas neste caso a lista é a lista das grandes batalhas (pressupõe grandes vitórias ou derrotas gloriosas)

Sobre os números de aljubarrota, existem falta de consenso entre historiadores, há registos de 1 português para 7 castelhanos sendo os mais conservadores 1 português para 3 castelhanos. O número oficial dado nas escolhas tem sido um intermedio 7000 vs 30000, mas é relativamente indiferente. Além disso, se as hostes castelhanas não foram capazes de se organizarem todas para a batalha significa que foi um erro da sua chefia e incapacidade de tirar vantagem dos números (que já agora foi explorado pelos portugueses, nomeadamente na escolha do local)

Sobre as batalhas que falas, acho que deves aprender a distinguir entre batalhas em que existem tropas portuguesas de batalhas verdadeiramente portuguesas... Além disso, não entendo a tua definição de grande derrota. E o post é sobre batalhas terrestres e não navais, que sendo assim haveriam muitas (a arte de guerra naval moderna foi começada pelos portugueses no séc XVI)
Alcantara por exemplo não é portugal vs espanha, mas antes partidários de D. António vs partidários de D. Filipe I (II de espanha)

Além de tudo isso, isso são tudo batalhas em inferioridade numérica ou de números equivalentes, a ideia de grande vitória, pelo menos para nós, não é ganhar ou matar muitos, mas de vencer com poucos um exército de muitos, como são os exemplos do post.

A nossa história é pautada por lutas com menos homens contra forças superiores, é o que nos caracteriza enquanto povo guerreiro. Algo que em espanha não existe pois sempre sois mais numerosos ou de iguais números aos vossos oponentes.



A batalha de Almansa por exemplo é batalha essencialmente inglesa vs francesa...

Anónimo disse...

Obrigado pola resposta, meu nome e Carlos Cao da Galiza.
Ben tan só quería facer unas observacións porque as veces a escolla de datos faise sen ver as duas versoes da historia. Aljubarrota foi grande vitoria para Portugal, mais tamen había portugueses (o irmao do condestabel Nuno Alvares por exemplo) nas fileiras castelhanas en ALjubarrota, o certo e que a maior parte da infantaria castelhana non chegou a participar, e os primeiros en atacar foron os franceses.
O castelhano Mestre de Alcantara que hostigou a retagarda portuguesa foi o unico en retirar en orde.Non había galegos en Aljubarrota e un dos nobres galegos mais importantes, Pedro ALvares Soutomaior combatiu xunto a Afonso V en Toro, a espanha e multifacetada.
Di voce que Almansa foi batalha inglesa francesa, tamen en aljubarrota houbo franceses e ingleses ainda que menos, e na batalha de Caia según miñas fontes, e agradeço se voce ten outras, o exercito espanhol tiña menos homes e non se entende como e case imposibel atopar informaçao de esta grande batalha campal quizais polo seu desfecho, e que parece que nao existe, a chefia era portuguesa marques de fronteira.
A min, nacionalista galego, tan só teño interese na historia militar, pero hay que falar de toda-las batalhas e Caia foi en Portugal.
O número dos contendentes nao importa muito na historia o que si importa e o interese e o esprito da xente que luta e os chefes militares e vos tivechedes alguns dos mellores como Nun Alvares e outros,penso que foi boa sorte.
Tamen e curioso que sexa dificil atopar informazom en portugues la derrota de afonso Henriques en Badajoz onde ficou prisioneiro.
O imperio dos austrias españois tivo moitas batalhas e foi considerado, sen dubida, a mellor forza militar do seculo XVI por iso non entendo o comentario final de que ser os españois sempre igual ou mais, non sempre foi asim
De feito a maior derrota da historia inglesa foi na cartagena de Indias e ahi as forzas eran de 5 a 1 a favor dos ingleses. Mesturar politica e historia non e axeitado na miña opinion.
Saudos cordiais, repito respeto e honra aos que considero irmaos portugueses.

crazy duck disse...

Boa tarde a todos,

Nao entendo o porque, de se estar a confundir um post, que pelo nome diz tudo, "As melhores batalhas de Portugal em territorio portugues" com os mais de 800 anos de pelejamento entre Portugal e Espanha, ou melhor, Portugal e Castela, Portugal e Aragao, Portugal e Leao e por ai adiante, pois que eu saiba , nessa epoca so existia Portugal, Espanha ainda nao havia nascido, existiam sim variados reinos independentes!

Tambem nao entendo o porque do colega da Galiza estar tao indignado com o post ao ponto de trazer para o debate outras batalhas for a do context do mesmo.

Se a sua intencao e a de dar enfase as vitorias castelhanas, aragonezas, leonesas e etc sobre os portugueses,por amor de Deus, colega, faca favor, siga em frente, agora, nao esqueca que, mesmo sendo Portugal um pais pequeno e considerado insignificante pela maioria dos espanhois, castelhanos, aragoneses, leoneses e afins, foi de Portugal que receberam a ajuda para de uma vez por todos correr com os arabes da nossa peninsula, e neste caso faltando ao acordado em carta real em que em troca da ajuda militar portuguesa seriam cedidas 3 vilas e duas cidades do territorio granadino conquistado aos mouros, e mais tarde foi Portugal que tambem vos ajudou a livrarem-se dos franceses, cerca de 23 mil soldados portugueses lutaram na Espanha , pela independencia de Espanha contra os franceses, nao houve um unico soldado espanhol a lutar em Portugal, por Portugal contra os franceses..e termino este paragrafo frisando que, mais uma vez, Espanha, faltando ao prometido e assinado no tratado de paz, nao devolve a Portugal nenhuma das pracas e cidades devidas onde se inclui Olivenca, alem de serem maus perdedores, maus vizinhos e maal agradecidos tambem foram mau caracter!

Mas, aproveitando as invasoes francesas, Espanha tentou novamente conquistar Portugal, nao tivesse o povo espanhol farto de aturar os franceses e teria havido mais uma Guerra peninsular, alimentada por quem?Espanha..

Falando de batalhas, no geral, nao sei qual dos dois paises tera tido mais batalhas ganhas e perdidas, tambem nao me interessa, mas, pesquisando as fonts, portuguesas, espanholas, francesas, inglesas, holandesas e papais, chegamos ha conclusao de que Portugal consegue aguentar a maioria das investidas Espanholas e ainda ripostar com orgulho e dignidade chegando tambem a conquistar Madrid, entregando-a depois a quem de direito.

O que o colega nao entende , ou parece nao entender, e que apesar das nossas limitacoes, vencemos o suficiente para continuar independentes e perdemos nas poucas vezes em que a adversidade e a falta de raciocinio dos nossos reis assim o ditou, como apos a batalha de Alcacer Quibir, a maior derrota militar de sempre para Portugal, onde perdemos praticamente toda a nobreza militar, cavaleiros e homems de armas , tornando o trono para Felipe I uma realidade!

Portugal pode ter orgulho no que e como nacao e como se comportou ao longo da historia.

Bem haja.

Antes da batalha do Toro, Portugal ganhou particamente todas as batalhas ate ai, no Toro foi declarado um empate, e depois, como quase sempre acontecia, falou mais alto o dinheiro e a intervencao papal.

Nito disse...

Portugal!!!